quarta-feira, 9 de agosto de 2017

UFRN estuda efeitos da seca no turismo em dez municípios do Seridó

O Centro de Pesquisa de Ensino Superior do Seridó (Ceres) do campus da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em Currais Novos, está realizando estudos e pesquisas para detectar os efeitos da estiagem, que se prolonga há quase cinco anos na região Nordeste, sobre a atividade turística da região do Seridó.

O assunto foi tema de matéria jornalistica no Boletim da Agência de Comunicação (Agecom) da UFRN, onde se inclui Cerro Corá, Currais Novos e Lagoa Nova entre os dez municípios seridoenses pesquisados. A matéria na integra, é a seguinte:

Por Juliana Holanda

A estiagem prolongada tem impacto na economia regional e, segundo o coordenador do projeto, o professor do curso de Turismo do Ceres Marcelo da Silva Taveira, o setor do turismo é um dos mais afetados. “Mais da metade dos turistas deixam de visitar a região nos períodos de seca”, afirma.

O pesquisador explica que há um impacto nas atrações locais: a vegetação e a paisagem mudam, diminuindo o interesse pelos atrativos regionais. “As pessoas têm menos motivação para visitar o Seridó, no período de estiagem, embora as belezas sejam outras. É um outro Seridó que aparece, mas a seca não permite impulsionar a atividade turística”, avalia.

A pesquisa A seca e seus efeitos no desenvolvimento do turismo do Seridó Potiguar está sendo desenvolvida em dez cidades seridoenses: Acari, Caicó, Carnaúba dos Dantas, Cerro Corá, Currais Novos, Florânia, Lagoa Nova, Jucurutu, Parelhas e Serra Negra do Norte. Esses municípios utilizam o turismo como uma estratégia para desenvolver a economia local.

Para desenvolver o estudo, os pesquisadores do Ceres estão visitando essas cidades e aplicando questionários entre as principais empresas dos setores de gastronomia e de hospedagem e com os gestores públicos municipais.

O objetivo dos pesquisadores é apresentar um diagnóstico da situação e mostrar possibilidades de convivência com a seca. “Estamos pensando em campanhas educacionais sobre consumo da água para amenizar os efeitos da estiagem prolongada”, afirma o coordenador.

Outra meta é promover o consumo compartilhado de água para diminuir os gastos do setor. “Donos de hospedagens e de restaurantes podem se unir para comprar água de um mesmo fornecedor, ao invés de ficar cada um comprando de forma isolada. Isso ajudaria principalmente as empresas menores, pois os altos custos interferem diretamente na qualidade do serviço e alguns estabelecimentos chegam a fechar por falta de água”, explica Taveira.

A conscientização dos turistas é um aspecto que merece destaque. Ivanildo Araújo, morador de Currais Novos e gerente de uma pousada, conta que alguns clientes não se conscientizam da situação e não querem economizar. “Colocamos cartazes em todos os quartos, mas ainda temos problemas”, diz.

Formação
Seis estudantes do curso de Turismo do Ceres fazem parte do projeto. Taveira acredita que a análise é importante para os futuros turismólogos, pois aborda planejamento e gestão. “Lidar com contradições econômicas, sociais e ambientais faz parte da formação dos alunos. Eles precisam saber o que está à espera para tentar transformar essa realidade a partir de intervenções”, avalia.

Uma das pesquisadoras, a aluna do 3º período de Turismo Renata Ingrid da Silva Araújo, está tendo a oportunidade de estudar a situação de sua cidade natal. Ela conta que Florânia vive o problema da seca há anos e as cachoeiras, atrativos naturais do local, secaram. “A economia da cidade foi afetada porque não há mais turistas”, afirma ela, que continuou: “A pesquisa ajuda bastante na formação acadêmica porque a gente vê na prática os efeitos da falta de água”.

Outros efeitos
A pesquisa identificou que, além de interferir na atividade turística, a estiagem prolongada tem afetado o comércio no Seridó. “Muitas empresas estão fechando e demitindo profissionais”, observa o coordenador.

O setor imobiliário também está sendo penalizado pelo longo período sem chuvas. “Há alguns anos, não tínhamos uma oferta muito grande de imóveis. A demanda era alta e era difícil encontrar uma casa ou apartamento para alugar em cidades como Caicó e Currais Novos, que são universitárias”, relembra o professor. “Com o advento da seca, as pessoas têm migrado para outras regiões. Hoje nós temos uma oferta imensa de imóveis”, destaca.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

domingo, 6 de agosto de 2017

Calcinha Preta recebe brindes Del Rayssa

Dançarinas da banda "Calcinha Preta" recebem brindes da Del Rayssa (foto - Giácomo Canário).

Vocalistas também exibem brindes Del Rayssa e da grife Calle ao  se apresentar no Festival de Inverno (foto - Giácomo Canário).

Flash do Festival de Inverno X

Contador cerrocoraense Arijoy Félix (d) reside em Patos (PB) com o filho no sábado (05).

Flash Festival de Inverno IX

 Othon Militão; prefeita Graça Oliveira; prefeito de Bodó, Marcelo Porto; Terezinha esposa do prefeito de São Gonçalo; Paulo Emidio (prefeito de São Gonçalo do Amarante) é o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria. 

Flash do Festival de Inverno VIII

Governador Robinson Faria; prefeita Graça Oliveira; secretária estadual de Ação Social, Julianne Faria; presidente da Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (Femurn), Benes Leocádio e esposa Ana Karine e vereadora em Lajes, Rosa Costa.

Flash do Festival de Inverno VII

Deputado Nelter Queiroz (PMDB), o cerrocoraense Francisco Menezes, Carlos Alberto com amigo jucurutuense

Flash do Festival de Inverno VI

Dedé Libânio comemorando aniversário com a família, esposa, noras e filhos